Uma das principais atracções turísticas de Moçambique são as áreas de conservação ambiental. Actualmente, cobrem cerca de 12,6% da superfície total do país, e compreendem 6 Parques Nacionais e 6 Reservas Nacionais, que para além de protegerem a biodiversidade e os ecossistemas frágeis, protegem as espécies animais e vegetação. Moçambique não é apenas um destino de viagem, é mais do que tudo, uma experiência de tempo. O País oferece ao visitante incontáveis variedades de paisagens deslumbrantes tanto da flora, bem como de fauna.

Parque de Banhine
Parque de Banhine

O Parque Nacional de Banhine situado na Província de Gaza, abrange três distritos, nomeadamente Chicualacuala, Mabalane e Chigubo. Possui aproximadamente 6,000 km² e assenta essencialmente na protecção da avestruz, elefante, leão e leopardos como espécies sujeitas a caça furtiva. Neste parque também pode se apreciar o macaco, o porco-do-mato, cabritos, impala, reptéis, aves etc. Oferece diferentes pontos para a actividade turística, com destaque para a planície da banamana igo fish (acampamento de pesquisa).

Reserva do Gilé
Reserva do Gilé

Localizada na fascinante Província de Zambézia, esta Reserva, no ano ano 2000 foi atribuída o regime de protecção total, passando à categoria de Reserva Nacional do Gilé. Foi criada para protecção de variadas espécies de fauna com destaque para o rinoceronte e elefante. Contudo, a sua imensa fauna, também possibilita a observarção de espécies como a lebre, o cão selvagem, o manguço, o pangolim, o chacal listrado, a hiena malhada, o leão, o leopardo, o gato selvagem, os répteis e várias espécies de aves.

Pode-se encontrar muitos pontos para a actividade turiítica, com destaque para os mais recomendados para o Alpinismo, canoagem (rio Mulela, rio Molocue), safaris apeados na floresta, conexões com praia de Pebane, Moebasse.

Reserva de Chimanimani
Reserva de Chimanimani

Criada em 2003, localiza-se no distrito de Sussundenga, Província de Manica e é detentora do ponto mais alto do País, o famoso Monte Binga com uma altura de aproximadamente 2454m, junto ao vizinho Zimbabwé. Tem um ecossistema intacto e rico em biodiversidade especialmente nas zonas montanhosas, paisagens esteticamente salientes, artefactos arqueológicos (pinturas rupestres), crenças e estruturas tradicionais intactas.

Pode apreciar uma grande diversidade de espécies animais, onde vale a pena destacar o búfalo, o cabrito azul, o cabrito cinzento, o cabrito das pedras, a Pala-pala, várias espécies de aves e répteis, incluindo as endémicas. Possui vários pontos para a actividade turística para observação das pinturas rupestres, prática do alpinismo e turismo cultural, como o Monte binga, as Grutas (Cavernas) e as Cascatas. O seu acesso pode ser feito a partir da cidade de Chimoio, via terrestre a partir dos aeroportos das cidades de Tete, Chimoio e Beira.

Reserva de Pomene
Reserva de Pomene

Considerada menor área de conservação do País, com uma superfície de 200 km², encontra-se localizada no distrito de Massinga, província turística de Inhambane. Foi criada em 1964 com o propósito de proteger o bói-cavalo e outras espécies, esperando-se combinar com acções de introdução de espécies de médio e pequeno porte como é o caso da vasta variedade de cabritos.

Com uma rica fauna, nesta área de conservação pode apreciar dentre várias espécies, o porco-bravo, cabrito cinzento, macaco- cão, macaco- Simango, macaco- cara preta, manguços e várias espécies de aves. É dos poucos lugares no mundo onde podera encontrar o dugongo, um mamífero marinho parecido com elefante, considerado um entre os “top 5” lugares de diving no mundo. A reserva, possui vários pontos para a prática de actividades de lazer e turismo, dentre eles, o farol de pomene , hotel velho, pomene View Lodge, Pomene lodge, Gruta etc.

Parque do Limpopo
Parque do Limpopo

O Parque Nacional do Limpopo, situa-se a Leste do Parque Nacional do Kruger (KNP) e partilha aproximadamente 200km de linha da fronteira entre os dois parques. Desta, 50km de linha de vedação, foi removida por parte do Governo da República da África Sul, de forma a permitir a movimentação livre de animais bravios para ambas as partes, no âmbito da implementação do Projecto de Desenvolvimento do Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo (PDPTGL).

Estes dois parques em conjunto com o Parque Nacional de Gonarezhou (GNP) do Zimbabwe, formam o Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo (PTGL). Neste sentido foi assinado em Dezembro de 2002 um trato formal entre os governos de Moçambique, Africa de Sul e Zimbabwe no sentido de torna possível a ligação e livre circulação das espécies nas áreas destes países. Ocupa uma área de 10.000km2.

Reserva de Marromeu
Reserva de Marromeu

O Parque Nacional do Limpopo, situa-se a Leste do Parque Nacional do Kruger (KNP) e partilha aproximadamente 200km de linha da fronteira entre os dois parques. Desta, 50km de linha de vedação, foi removida por parte do Governo da República da África Sul, de forma a permitir a movimentação livre de animais bravios para ambas as partes, no âmbito da implementação do Projecto de Desenvolvimento do Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo (PDPTGL).

Estes dois parques em conjunto com o Parque Nacional de Gonarezhou (GNP) do Zimbabwe, formam o Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo (PTGL). Neste sentido foi assinado em Dezembro de 2002 um trato formal entre os governos de Moçambique, Africa de Sul e Zimbabwe no sentido de torna possível a ligação e livre circulação das espécies nas áreas destes países. Ocupa uma área de 10.000km2.

Reserva do Niassa
Reserva do Niassa

Criada em 1954 com o objectivo de proteger a vida selvagem, principalmente os elefantes que residem dentro das suas fronteiras. Está localizada em Niassa, cobre aproximadamente 42.000 km² e representa não apenas uma das mais remotas, mais também a maior área de conservação do País. A Reserva compreende cerca de 1/3 da Província do Niassa e uma parte da Província de Cabo Delgado, cobrindo oito distritos, incluindo a totalidade do Distrito de Mecula e uma grande parte do Distrito de Mavago. Possui uma rica fauna, composta essencialmente por elefante, boi-cavalo, leão, zebra, búfalo, porco do mato elande imbabala, pala- pala, chango, facocero, inhacosso, cudo cabritos, gondonda, impala, répteis, hipopótamo, hiena malhada, crocodilos, aves, peixes etc.

Parque do Bazaruto
Parque do Bazaruto

O Parque Nacional do Bazaruto (PNB), um dos maiores espaços de protecção marinha em Moçambique, localiza-se na província de Inhambane, na costa dos Distritos de Vilanculos e Inhassoro. O parque em funcionamento desde 1971, foi proclamado para proteger dugongos, tartarugas marinhas e seus habitats. incluindo a vegetação das ilhas, os recifes de corais, as aves aquáticas e toda a fauna do parque.

Engloba uma extensa parte marinha e as 5 ilhas do arquipélago, ocupando uma área de 1.430 km2. O arquipélago reveste-se de uma grande importância ecológica, pois alberga a maior população de dugongos existentes na costa oeste do Oceano Indico, estimada em mais de 150 indivíduos em Dezembro de 2006. Gerido pela Administracção Nacional de Áreas de Conservação, Entidade tutelada pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, em colaboração com o World Wildlife Fund e do Endangered Wildlife Trust.

Parque da Gorongosa
Parque da Gorongosa

O emblemático Parque Nacional da Gorongosa (PNG), cartão postal da preservação da biodiversidade Moçambicana é uma área de conservação situada na zona limite sul do Grande Vale do Rift da África Oriental, no coração da zona centro de Moçambique, em plena Província de Sofala. Com pouco mais de 4000 km², integra no seu ecossistema uma variedade de espécies de flora e fauna, onde destaca-se o animal rei, o famoso leão.

Foi criado com o objectivo de preservar e manter as espécies no seu habitat natural, contribuíndo para manutenção do ecossistema único que lhe é característico. Os rios que nascem no vizinho Monte Gorongosa, que atinge os 1.863 m de altura, irrigam a planície. Aos 20 de Julho de 2010, o Governo Moçambicano decidiu alargar a área do parque para 4.067 km², bem como criar uma zona tampão de 3,30 km² à sua volta.